“Eu não teria um contrato sem doping”

“Eu não teria um contrato sem doping”

15 de janeiro de 2021 0 Por Flavio Menezes

“NO CICLISMO, HÁ 90% DE DOPING”, DIZ O ADVOGADO DE STEFAN DENIFL

 

Ciclista austríaco condenado a dois anos de prisão por fraude desportiva

Stefan Denifl, ciclista austríaco, foi condenado a dois anos de prisão pelo tribunal de Innsbruck, por fraude desportiva agravada, no âmbito do processo relativo à rede internacional de doping Aderlass, desmantelada em 2019.

O advogado de defesa de Stefan Denifl teria afirmado que “no ciclismo há 90% de doping”, enquanto o profissional austríaco é julgado por seu doping de sangue.

Denifl de 32 anos, vencedor de uma etapa da Vuelta a España em 2018, é acusado de enganar patrocinadores e organizadores com doping entre 2014 e 2018. O ciclista foi banido pela UCI e admitiu doping por sangue, mas nega a fraude.

Falando no tribunal, Denifl disse que “eu não sou um criminoso” e acrescentou que “eu não teria um contrato sem doping”.

O advogado de Denifl disse ao tribunal: “Ele arruinou sua saúde e, às vezes, corria com o risco de sua vida.

 

“NO CICLISMO, HÁ 90% DE DOPING. NÃO HÁ ATLETA SUPER LIMPO.”

 

De acordo com a promotoria, o doping de Denifl causou danos de cerca de € 580.000 (£ 490.000) em bônus e taxas de equipe.

A sentença aplicada a Stefan Denifl, de 33 anos, inclui a suspensão da atividade por 16 meses, bem como uma multa de 349 mil euros. O ciclista austríaco tem três dias para decidir sobre um possível recurso.
Denifl foi suspenso por um período de quatro anos após o desmantelamento da rede Aderlass, que teria fornecido substâncias proibidas a cerca de 20 desportistas de várias nacionalidades.
Denifl é o quarto desportista a ser condenado a pena de prisão, depois de Georg Preidler (também ciclista), Johannes Durr, Max Hauke ??e Dominik Baldauf (esquiadores).

 

Stefan Denifl – © Divulgação

 

Matéria da Revista Bicicleta.