Oakley Challenge Cycling 2019 em Interlagos – Por Bruno Araujo

Oakley Challenge Cycling 2019 em Interlagos – Por Bruno Araujo

10 de outubro de 2019 1 Por Flavio Menezes

Oakley Challenge Cycling 2019 em Interlagos

 

No ultimo sábado,  dia 5 de outubro, participei da Oakley Challange, minha primeira prova de ciclismo, realizada no Autódromo de Interlagos.

 

Ao longo dos próximos dias postarei algumas fotos e também comentários sobre como foi esta experiência.

 

A preparação

 

A Oakley Challange tinha como objetivo completar 60km no Autódromo de Intelagos, ao todo são 14 voltas pelo circuito.

 

Assim que o primeiro colocado completasse 13 voltas seria dada a bandeira branca sendo a ultima volta para todos.

 

Ou seja, caso estivesse na volta de numero 5, só teria direito a mais uma.

 

Completando bem distante dos 60km como amador, sabia que o maior desafio seria tomar o mínimo de voltas dos ciclistas da elite para chegar o mais próximo possível das 14 voltas.

 

Treinamento

Como treinamento preparatório, realizar treinos de no mínimo 50 km seria o ideal, porém,  fato de utilizar diariamente a bike como meio de transporte casa-trabalho foi fundamental para meus treinos.

 

O problema é que este trajeto tinha apenas 12km, trechos com semáforos que obrigava a parar.

 

Então comecei a utilizar a volta do trabalho fazendo um caminho alternativo para chegar em casa,  saia da Praça da Sé e voltava passando pelo parque do Ibirapuera.

 

Desta forma “treinava” na ciclovia do parque do Ibirapuera e depois subia para o Jabaquara que é o bairro onde moro.

 

O Parque do Ibirapuera é sensacional,  uma ilha dentro da cidade,  onde a temperatura está sempre agradável devido às suas árvores e o lago.

 

Mas não é um local apropriado para treinar forte, até às 19h é um parque que recebe muitos visitantes alguns saem de longe,  alugam bicicletas e fazem seus passeios pela ciclovia, ou seja são pessoas que estão ali pra passear e curtir o parque sem que alguém fique acelerando elas.

 

Passando das 19h a ciclovia esvazia e assim da para puxar alguns sprints.

 

Desta forma consegui fazer alguns treinos bons em alguns dias da semana.

 

A Bike

A bike minha caloizinha de guerra completou 1 ano neste mês, período em que rodei 6.000km com ela.

 

Speed de estrada com ótimo custo-benefício e baixa manutenção.

 

O único componente que precisei trocar foram as pastilhas de freio e um aro.

 

Devido ao desgaste e aproveitando a oportunidade da prova, decidi trocar alguns componentes.

 

Dica principal… não espere quebrar pra você  trocar um componente, tudo tem vida útil.

 

A chance de você economizar é enorme fazendo manutenção planejada la se foi pneus, corrente, pastilha de freio e fita de guidão, a troca da corrente foi obedecendo o padrão Shimano Tiagra, pra ficar de acordo com o kit.

 

Valor R$ 160,00 na bicicletaria, nos pneus optei por manter o padrão do Continental Ultra Sport que vem junto com a bike.

 

É o tipo pneu que não engana, baixo custo, macio, sem arame e pouco arrasto, mas bem propenso a cortes pouca proteção antifuro e aderência baixa nas curvas.

 

No geral vale a pena, ainda mais comparando preço com o GP4000.

 

Não estou comparando a qualidade dos pneu o GP4000 é top, porém, para o meu uso, as condições de asfalto que acabo pegando,  a durabilidade seria similar e um preço bem mais alto.

 

Paguei um preço bacana na Rebechi bikes, valor R$ 120,00, cada pneu. As pastilha de freio, optei pelas alligator com refil.

 

Além do custo ser mais baixo que a Shimano, a durabilidade é bem mais alta principalmente se pegar algumas chuvas pelo caminho, R$ 50,00 a pastilha já com refil.

 

O legal desta opção é trocar apenas a borracha quando precisar, acaba ficando bem em conta.

 

Coloquei uma fita de guidão da fizik, modelo performance, é uma fita mista de um couro sintético .

 

Resolvi colocar um tipo de gel adesivo da Shimano que  coloca no guidão e passa a fita por cima. Gostei do resultado. R$ 120,00 na fita na Bike Runners e mais R$ 80,00 no gel.

 

Final das contas

R$ 650,00… como uso a bike para ir ao trabalho a grana que economizo durante o ano, compensa esse valor.

 

A bike ficou excelente, meus agradecimentos ao William do Bike Mecânico que deixou a bike no jeito.

 

A alimentação

Tenho um metabolismo bem acelerado uma verdadeira draga mesmo, pra piorar na semana da prova tirei o dente do siso, por ser uma prova às 11h da manha com alto desgaste,  foi um ponto que não soube me preparar muito bem, poderia ter sido melhor.

 

O problema  mesmo foi a hidratação, com apenas uma caramanhola na bike acabei racionando a agua, só que por volta da décima volta a agua acabou,  calor de 30°,  aquele asfalto quente, acabei forçado a parar e pegar agua.

Um tempo que acabei perdendo, fica de ensinamento para a próxima, aprendendo a pedalar.

 

A prova

 

Gostei da organização apesar da prova do ciclismo ser às 11h debaixo de um sol de mais de 30°.

 

O evento envolvia provas também de corrida de 5 e 10km que exigem esforço bem maior que o ciclismo, dessa forma foi justo.

 

Evento propício pra levar a família com estrutura de alimentação bem bacana, estacionamento gratuito dentro do autódromo, guarda bikes, tirolesa, escalada e pontualidade.

 

A organização propiciou um dia com programação  democrática, pois permitiu que pessoas que estivessem com MtB também participassem experiência legal pra quem nunca teve a oportunidade pra conhecer a pista.

 

Contou com um ponto de hidratação bem organizado.  O que deixou a desejar foi a logística na entrega de medalhas , acabou faltando medalhas para alguns participantes inclusive para mim.

 

A solução de contorno foi o envio da medalha por correio e de fato 2 dias depois recebi um email da Iguana com o pedido de desculpas e solicitando meu endereço para envio, agora é aguardar sem stress.

 

Minha colocação na prova

Fiz 11 das 14 voltas que a elite fiz, deu 43K em 1H36m, fiquei em 36º lugar na minha categoria e 83º na classificação geral.

Acho que foi um excelente resultado para um iniciante em sua primeira prova.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lição que fica

Minha maior conquista nessa prova sem duvida foi o ensinamento que ela me deu como amador.

 

Com uma equipe estruturada  é fundamental entender a prova e tentar tirar o melhor que ela pode te proporcinar.

 

O autódromo de interlagos possui 4.3km de extensão, retas subidas, descidas e curvas com vento a favor e contra, tudo é possível em uma volta, muitas voltas acabei andando sozinho como em uma prova de contra relógio.

 

Nesse sentido é algo que preciso aprender, buscar pequenos pelotões auxilia principalmente para quebrar o vento em retas, poderia ter pedalado em pé em alguns momentos.

 

Final da prova estava sentindo fortes dores na famosa região do piriforme ( na bunda mesmo), que pressiona o ciático, talvez seja a hora de um novo selim ou um bikefit.

 

No geral achei bem positivo.

 

é isso pessoal que venha a Oakley Challenge Cycling 2020.