Outra bike “perdida” para a violência desmedida do ser humano

Outra bike “perdida” para a violência desmedida do ser humano

3 de setembro de 2019 1 Por Flavio Menezes

Hoje foi a Caloi WBT “reformada”.  Fui dar um rolé no Centro de S.P. e voltei sem ela. A pé e desolado, mais uma vez.

 

 

Este foi o último pedal que eu fiz e bloguei com ela [Giro pelo RodoAnel Leste e ZL ].

Pedal treino – Rodoanel Leste_Sapopemba_ZL

 

 

Abaixo o resumo que fiz no B.O. (3a. DP):


Parei a bici no paraciclo em frente ao Sesc 24 de Maio, aprox. Rua Dom José de Barros, 103, quase esquina com a 24 de Maio, República. Prendi com 2 correntes de aço, por volta das 3 da tarde. Ao sair da visita ao SESC, lá pelas 6, deparei-me com a desagradável e revoltante sensação de perda. Havia também uma buzina importada (americana) “Loud Bicycle” que valia, só ela, uns 150 dólares. A bici estava reformadinha,; valia uns 700 reais.

Fotos do local:

Fica o alerta para não pararem ali. Vou entrar em contato com o SESC e avisar que estão roubando bicicleta direto, conforme os vendedores ambulantes falaram (eles “sabem” quem anda fazendo isto…). Só naquela tarde, disseram que foram 5. Pq não providenciarem um local dentro do SESC para que nós ciclistas tenhamos um pouco mais de sossego para frequentar o local??

* * * * * * * * * * * * * *

 

[ 03/fev – dom. ]
Hoje eu voltei lá e falei na triagem de infos do SESC e com o segurança. Ambos relataram que “é direto o roubo de bicicletas” ali na frente. Mas “que não podem fazer nada”. Solicitei que ao menos se colocasse um AVISO bem visível avisando dos altos riscos em se deixar bicicletas naqueles paraciclos. Vou escrever ao “Fale Conosco’ do SESC. As câmeras de monitoramento parecem que não servem para nada. Poderiam ao menos recolher as imagens e encaminhar à Polícia Civil.

Passando uma guarnição viária da Polícia Militar solicitei que parasse para conversar um pouco. Falaram também que “NADA PODE SER FEITO”, mas que “TODO MUNDO SABE QUE SE ROUBA DIRETO BICICLETAS POR ALI”. Ou seja, “- só lamento, né”. Segurança continua sendo uma peça de ficção em nossa metrópole.