SAIBA TUDO SOBRE PEDAL CLIP

SAIBA TUDO SOBRE PEDAL CLIP

20 de maio de 2021 0 Por Flavio Menezes

O pedal clip, também conhecido como pedal de clipar ou pedal de encaixe, acaba sendo uma “evolução” natural do ciclista – que, com o tempo, passa a preferir o acessório pelos benefícios que ele traz.

Apesar disso, o que não faltam são dúvidas sobre o tema, especialmente entre os iniciantes. Para acertar na compra do seu pedal clip, é importante entender como esse equipamento funciona, os principais tipos e algumas dicas. Siga a leitura deste conteúdo e veja as informações mais importantes sobre o tema.

PEDAL CLIP: USAR OU NÃO USAR?

O pedal clip funciona de forma semelhante aos esquis de neve, com uma espécie de “tanquinho” (produzido em plástico ou metal) que é aparafusado no fundo da sapatilha. A partir desse sistema, o ciclista faz o encaixe de pé em um sistema de molas. Então, é preciso comprar, também, uma sapatilha compatível com o sistema usado.

A principal função desse equipamento é oferecer estabilidade e um posicionamento correto para os pés no pedal. Isso é muito interessante, principalmente em trechos acidentados, em saltos ou quando você estiver pedalando em pé em uma subida, já que diminui as chances de o pé do ciclista escorregar do pedal, evitando acidentes.

BENEFÍCIOS

No início, pode ser que você estranhe um pouquinho usar o pedal clip. Mas com o tempo clipar e desclipar se tornará um ato tão automático quanto pedalar. E você verá que usar esse acessório trará uma série de vantagens às suas pedaladas, como:

  • melhora na eficiência e na performance da pedalada, devido ao posicionamento correto dos pés, permitindo que a força aplicada seja centralizada no pedal;
  • você se sentirá mais confiante para realizar percursos mais técnicos, pilotando com mais seguraça, com mais confiança em sprints, curvas e trechos mais acidentados;
  • maior controle da bike, com uma experiência totalmente diferente de pedalar com pedais de plataforma;
  • o seu pé não escorregará do pedal, o que é muito útil principalmente em dias de chuva e com lama.

Apesar de todas essas vantagens, é importante enfatizar que o ciclista iniciante precisará de um tempinho de adaptação, lembrando de soltar os pés cada vez que tiver que parar a bike – ou acabará caindo.

Geralmente, esse “destravamento” é realizado de maneira bem simples, bastando torcer o calcanhar para fora.

Outro ponto positivo é que muitos modelos de pedais de clip dispõem de presilhas laterais que funcionam sob ação de molas. As quais, por sua vez, permitem um ajuste na tensão, o que significa mais ou menos firmeza.

Se você é iniciante, a dica é deixar a mola na tensão mínima, o que torna mais fácil clipar e desclipar o pé.

 

 

QUAIS OS TIPOS DE PEDAL DE CLIP?

Já está convencido a usar o pedal clip? Então é importante conhecer os principais modelos, que diferem entre MTB e Speed. Lembrando que você sempre deve conferir com atenção o sistema de encaixe (que poderá variar dependendo da marca) e a compatibilidade entre pedal e sapatilha.

Vamos ver em detalhes.

PEDAL CLIP PARA MTB

Os principais pedais de encaixe para MTB são os listados abaixo.

ATAC

ATAC (Auto Tension Adjustment Concept) é um dos modelos mais antigos de pedal de clipar, criado pela francesa Time ainda no início dos anos de 1990.

Embora seja mais antigo, ele apresenta vantagens interessantes, como a possibilidade do ciclista movimentar os pés em um ângulo de 5 graus e lateralmente, ideal para ciclistas com dores no joelho.

Outra vantagem que o modelo apresenta são suas travas retas em ambos os lados, reduzindo o acúmulo de barro, o que é excelente para pedalar em trilhas.

O sistema é produzido com corpo em fibra de carbono e eixo de titânio, o que oferece robustez e leveza. É claro que esses materiais também tornam o sistema um pouco mais caro.

 

EGGBEATER

Sistema desenvolvido pela americana CrankBrothers, com um design leve e minimalista, que permite uma clipagem mais rápida do que dos modelos concorrentes e quatro opções de engate (enquanto os outros modelos apresentam apenas duas opções).

Porém, o Eggbeater não oferece um sistema de ajuste de tensão de mola. Outro ponto é que, como o sistema usa rolamentos de pequenas dimensões, com o passar do tempo, ele poderá apresentar folgas, especialmente para os ciclistas que pesam mais de 80 kg.

Como o tanquinho é feito de latão (e não de aço, como em outros modelos), o Eggbeater é mais leve e tem um encaixe melhor. Contudo, apresenta um desgaste mais acentuado e uma vida útil menor, não sendo uma das melhores opções para quem costuma pedalar em trilhas mais pesadas.

Porém, uma vantagem bacana é que o Eggbeater permite a movimentação lateral do pé do ciclista (entre 15 e 20 graus), deixando a pisada em uma posição mais confortável e natural, ideal para ciclistas com dores e problemas no joelho. Outra vantagem é a possibilidade de fazer manutenção trocando o kit repado, facilmente encontrato na internet.

SPD

 

 

De longe, o sistema da Shimano (SPD) é um dos mais conhecidos pelos ciclistas de mountain bike. O Shimano Pedaling Dynamics (SPD) foi criado em meados dos anos de 1990 e tem como vantagem o rápido encaixe e desencaixe.

Além disso, esse sistema tem um custo mais acessível, alta durabilidade e uma necessidade pequena de manutenção. Outro ponto positivo é a facilidade na regulagem da tensão, ideal até mesmo para os ciclistas iniciantes (para fazer o ajuste, você precisará apenas de uma chave Allen).

Apesar de ter sido criado pela Shimano, o SPD é um sistema usado por várias marcas (como a Wellgo, Exustar e Ritchey), sendo, portanto, mais fácil encontrar variedade de modelos e de preços, além de sapatilhas compatíveis, pois o sistema é o mais usado em todo o mundo.

Uma desvantagem, porém, é o fato de o SPD ter dois lados de encaixe, o que significa que em terrenos cheios de lama, você poderá sofrer com o acúmulo de sujeira.

CLICK’R

Também desenvolvido pela Shimano, o CLICK’R é ideal para quem está começando a pedalar. Ele tem uma estrutura similar ao SPD, porém com uma mola com pouca tensão e um design que torna mais fácil clipar os pés.

Esse pedal clip é mais indicado para uso urbano, em que há uma necessidade maior de clipar e desclipar os pés constantemente.

S-TRACK

Desenvolvido pela francesa LOOK, o S-Track foi projetado para não acumular sujeira e barro. Para isso, ele conta com uma base praticamente reta e dois lados para encaixe, com “barras” em que os tacos se encaixam.

São pedais de clip ideais para ciclistas avançados e profissionais, já que são bastante leves.

PEDAL CLIP PARA SPEED

Os principais pedais de clip para speed são os listados abaixo.

KÉO

Esses pedais são fabricados pela francesa LOOK e são dos mais leves do mercado. Eles contam com uma base mais larga, garantindo excelente estabilidade em sprints e arrancadas, e um ótimo ajuste de tensão, que torna o sistema mais reforçado.

Os tacos são divididos por cores, que representam níveis diferentes de flutuação. O vermelho é o maior nível, o cinza, o intermediário, e o preto oferece um travamento total dos pés.

SPD

Assim como os pedais para MTB, no caso dos pedais de estrada, a Shimano também usa o sistema SPD, porém com um desenho diferenciado. Nesse caso, o pedal tem formato triangular e uma base mais espessa e larga – design desenvolvido especialmente para o ciclismo de estrada, em que não há o problema do acúmulo de barro.

Esses pedais também contam com ajuste de tensão e de mola – e você poderá optar entre três tipos de taco, variando dos pés mais leves até o travamento total, dispostos nas cores vermelho, amarelo e azul. O vermelho possui menor nível (indicado para ciclistas experientes), o azul é um meio-termo e o amarelo possui maior travamento (bacana para ciclistas iniciantes).

Além desses, você ainda poderá optar por pedais mistos, que unem pedais de encaixe e os tradicionais de plataforma em um sistema único. De um lado, ele é um pedal de plataforma, e do outro, pedal clip.