Mulheres esportistas precisam de atendimento ginecológico especial

Mulheres esportistas precisam de atendimento ginecológico especial

27 de julho de 2021 0 Por Flavio Menezes

MESMO AS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS PODEM TER PROBLEMAS NO CICLO MENSTRUAL E INCONTINÊNCIA URINÁRIA.

 

Você sabia que mulheres praticantes de exercícios físicos, esportistas e atletas profissionais precisam de cuidados ginecológicos específicos?

 

De acordo com especialistas, há alguns problemas comuns que podem ser sanados ou minimizados com ajuda médica, como irregularidades no ciclo menstrual e incontinência urinária atlética. A médica Carla Tavares Felipe Vieira, coordenadora do Serviço de Medicina do Esporte da Rede Mater Dei de Saúde, explica que é de extrema importância atuar nas alterações ginecológicas relacionadas à prática de exercícios – ela destaca que as práticas esportivas que mais merecem atenção são aquelas onde as mulheres treinam em maior volume e intensidade sem ter o aporte energético adequado para a prática ou aquelas que praticam exercícios com grande impacto. “A mulher tem particularidades que merecem atenção, seja para melhorar a performance ou para evitar problemas de saúde”, afirma.

A tríade da mulher atleta, ou Síndrome da Deficiência Energética relacionada ao esporte, é pouco conhecida entre as mulheres que praticam exercícios e pode causar uma série de problemas. A tríade é caracterizada por baixa disponibilidade de energia, alteração menstrual e disfunção do metabolismo ósseo. Como consequência, podem surgir sintomas como fraturas por estresse, alteração no humor, fadiga excessiva, alteração na fertilidade e queda anormal no rendimento. Porém, com a ajuda de uma equipe multidisciplinar, é possível tratar esses sintomas e melhorar a performance.

Uma das principais contribuições da ginecologia do esporte está relacionada ao ciclo menstrual e seus impactos no desempenho esportivo. O especialista em ginecologia pode ajudar essas mulheres a escolher, por exemplo, o melhor método contraceptivo para minimizar os efeitos colaterais e atender as demandas da modalidade esportiva da paciente.

Por último, e não menos importante, a ginecologia esportiva pode auxiliar nos cuidados específicos em relação à prática de exercício durante a gestação, que é algo que envolve muitos questionamentos. “A mulher esportista não sabe se deve ou não manter os treinos durante a gravidez. A mulher sedentária não sabe se é seguro iniciar exercícios na gestação”, explica a ginecologista Rosangela Faroni, do Serviço de Medicina do Esporte da Rede Mater Dei de Saúde.

Especialistas destacam que é essencial a paciente ter um tratamento de forma integrada, com uma equipe multidisciplinar composta por ginecologista, médico do esporte, nutricionista, ortopedista esportivo e fisioterapeuta do assoalho pélvico. O objetivo é auxiliar as mulheres que praticam exercícios em diferentes volumes e intensidades em todas as suas particularidades.

A ginecologista Rosangela reforça que a Ginecologia do Esporte não existe apenas para cuidar de atletas profissionais. As peculiaridades da mulher existem também para aquelas que praticam exercícios, mesmo que de forma recreativa ou amadora. “A atenção com a saúde é sempre bem-vinda, em especial no caso das mulheres”, diz.

 

 

Mais informações
FSB Comunicação
Rose Guirro | rose.guirro@fsb.com.br – (11) 98317-1117