Todo dia é dia das mulheres

Todo dia é dia das mulheres

12 de julho de 2021 0 Por Flavio Menezes

TODAS JUNTAS

Matéria do site Revista Bicicleta

 

Todo dia é dia das mulheres, veja como o ciclismo vem impactando a vida de diversas mulheres pelo Brasil! 

Uma mulher em Atibaia usa a bicicleta para superar um trauma familiar e inspira diversas outras pessoas a mudarem seu estilo de vida, enquanto outra em São Paulo diz que a bike salva sua vida diariamente. Em Minas e em tantos outros cantos do país mulheres encontraram na bicicleta a saúde e a liberdade que tanto buscavam.

De diferentes formas o ciclismo vem transformando a vida de mulheres no Brasil inteiro, por isso hoje convidamos você a levar mais uma mulher para o ciclismo, nunca sabemos como isso vai impactar a vida dela!

Conheça abaixo a história de diversas mulheres e sua relação com o ciclismo, para que isso te faça lembrar que você não está sozinha e que todas juntas, somos mais fortes!

© The Blog Trek

Nathalia Montalti, 35 anos – Atibaia

“Em 2017 passei uma “barra” familiar, precisava de algo para ocupar a minha mente e minha vida, precisava direcionar o meu foco, e decidi me inscrever em um Ironman, afinal, o que mais pode te tomar tanto tempo na vida? Haha

Comecei a treinar, fiz inúmeros amigos e meu programa favorito era ir pra rodovia sozinha, colocar os pensamentos em ordem, organizar meus sentimentos, planejar meu futuro… A bike virou minha terapia, meu esporte favorito, e foi nessa fase que comecei aceitar tudo que aconteceu, entender como aquilo era parte de um processo.

E por incrível que pareça meu profissional deslanchou também, hoje no meu escritório todas as pessoas pedalam, por influência minha, de tanto me ouvirem falar do meu amor pelo esporte e do poder transformador da bicicleta, isso me dá muito orgulho!

Em 2018 completei o Ironman Brasil, foi surreal, uma experiencia única.

Enfim,  foi a bike que me trouxe equilíbrio pra superar todas as minhas dificuldades, foi a bike que me tirou do fundo do poço. O ciclismo me trouxe DISCIPLINA, FORÇA, EQUILIBRIO, a palavra certa pra mim é RESILIÊNCIA!”

© The Blog Trek

Aline Oliveira de Carvalho, 42 anos – Rio de janeiro

“Em 2010, participei de um programa de desenvolvimento de liderança na Bélgica, em Ardennes. Era um programa super vivencial, que envolvia atividades extremas outdoor e algumas discussões e estudos indoor.

Eu já corria e era a única “atleta” do grupo, éramos 12 pessoas. Em uma atividade outdoor, a nossa missão era pegar uma bike, entrar numa floresta e cumprir algumas tarefas. Todos apontaram pra mim. Fui invadida por um misto de “não tem chance d’eu fazer isso” com “missão dada é missão cumprida”. Morrendo de medo, fui caminhando ao lado da bike, mas quando começou a atividade, montei na bike e fui embora.

Mas o melhor foi a volta, aquele pôr do sol e aquelas estradas magníficas me marcaram profundamente pra sempre. O ar batendo no meu rosto, uma sensação indescritível de liberdade me invadiu. Lembro como se fosse hoje que eu só pensava assim “como é que eu não pedalo ainda?”, “por que não comecei antes?”. Nascia ali uma ciclista!

É no ciclismo que eu me conecto verdadeiramente comigo mesma.”

© The Blog Trek

Vanessa Carvalho Paris, 37 anos – São Paulo

“Quando me mudei do interior para São Paulo, realizava passeios de bike para conhecer a cidade, a bicicleta nos proporciona ver as coisas por outro prisma e nos leva a lugares que nunca imaginávamos. Após essa relação com a bike como forma de descoberta, logo eu comecei a incorporá-la na rotina do esporte.

O ciclismo me trouxe saúde física, mental, e também algumas cicatrizes, risos, mas me ensinou a superar meus próprios limites, me permitiu conhecer pessoas, lugares e fazer amigos. Hoje a bike faz parte do meu dia a dia, eu amo pedalar!”

© The Blog Trek

Carol Coleman, 32 anos – Contagem/MG

“A bicicleta se tornou parte do meu corpo, existe a Carol antes da bike e depois da bike! Comecei a pedalar porque tive condromalácia patelar, não conseguia subir ou descer escadas. O médico cortou minha corrida e disse que se eu quisesse continuar com exercícios e envelhecer com saúde eu teria que fortalecer meus músculos da coxa. Assim comecei a pedalar e me apaixonei, hoje já estou na minha terceira MTB!

Já competi em diversas provas e fui campeã de XCO em Minas Gerais. A bike me proporcionou não só a melhora da minha saúde e deslocamento, hoje consigo subir e descer escadas normalmente e não sinto mais dores no joelho, como também me trouxe um esporte e vários patrocínios.”

 

© The Blog Trek

Clarissa Brito, 30 anos – São Paulo

“O ciclismo mudou tudo na minha vida! Sabe, quando a gente começa a olhar a vida por outros ângulos, tudo fica mais bonito. A bike faz isso não apenas no esporte, mas no cotidiano e na maneira como enxergo e me importo com os demais.

Ao pedalar para treinar eu busco a minha segurança com capacete, mas também aprendo a dar sinal para qualquer movimento e tirar os fones de ouvido para estar mais atenta. Ao pedalar para me locomover busco respeitar as vias e velocidades, a faixa de pedestres, as sinalizações, ensinar os carros que naquela bike pode existir um filho, uma mãe, um avô, um neto, um amigo. Ao pedalar em uma competição eu sinto a adrenalina da velocidade, o prazer de colher o esforço de um processo e ver outros ao meu redor naquela mesma vibe.

Em todas essas ocasiões o vento no rosto e a maneira como a bicicleta se torna uma só com meu corpo mostra um universo que com palavras talvez seria muito difícil de descrever, por isso deixo para que artistas que possuem o dom de transmitir sentimentos o façam, o que posso dizer é que tenho o desejo de levar todos para esse mundo do pedal.”

© The Blog Trek

Juliana Winterink – São Paulo

“O ciclismo não só mudou a minha vida, ele me salva diariamente. É o momento em que eu me sinto inteira, onde supero meus limites e principalmente: onde me divirto. Descobri na bike inúmeras possibilidades: esporte, deslocamento, aventura, liberdade, felicidade… é meu escape quando preciso relaxar, minha liberdade quando sinto o vento no rosto, minha alegria quando me supero e meu estilo de vida pro resto da vida.”