Tour de France: brasileiro Murilo Fischer será embaixador

Tour de France: brasileiro Murilo Fischer será embaixador

24 de junho de 2021 0 Por Flavio Menezes

Ciclista catarinense que já disputou três edições do Tour volta à prova novamente como relações públicas

O brasileiro Murilo Fischer estará mais uma vez no Tour de France. O catarinense de Brusque, que já disputou o Tour em 2007, 2008 e 2013, foi convidado novamente pela A.S.O – Amaury Sport Organisation para ser embaixador e relações públicas do evento que começa neste sábado. Nas suas redes sociais, Murilo Fischer promete atualizar seus seguidores com notícias e informações de bastidores.

 

Como embaixador, o ciclista que começou sua carreira profissional na Europa em 2004 e encerrou sua trajetória no pelotão World Tour na equipe francesa FDJ, receberá os convidados no Village das etapas. Cada embaixador tem um carro oficial para acompanhar a corrida, na frente ou ao lado do pelotão.

”Trazemos os convidados para dentro do Tour de France. Eles vivem uma experiência como se fosse um carro de equipe. Eles entendem como funciona a corrida. Confesso que dá muita vontade de pedalar novamente vendo tudo de perto”, contou.

Murilo Fischer está em Treviso, na Itália, após ser convidado pela A.S.O. para fazer algumas provas, como a Criterium du Dauphine, e agora segue para o local da largada.

O embaixador aposta numa competição equilibrada, aberta a muitas possibilidades. Segundo o catarinense, o nível de todas as equipes é muito forte, mesmo com quatro ou cinco se destacando. ”Espero um Tour de France bastante equilibrado, sensacional. Nas corridas prévias já demonstrou que terá bastante briga pela camisa amarela. Ciclisticamente falando será um dos melhores Tour de France para assistir. Além das brigas entre os adversários, vamos ver duelos entre atletas da mesma equipe”, afirma.

Uma das etapas que, na avaliação de Murilo Fischer, será decisiva é a 11ª, com a dupla subida mítica do Mont Ventoux. O Ventoux retorna à rota do Tour de France pela primeira vez desde 2016, quando um temível vento Mistral passando pela chamada ‘montanha careca’ forçou o encurtamento da etapa e, por fim, viu o líder da corrida Chris Froome correndo em direção ao final após sua bicicleta ter sido danificada em uma colisão com uma motocicleta. ”É tradicionalmente uma etapa para quem escala bem e faz um bom contrarrelógio”, explica.

Em 2015, ao completar a 70ª edição da Volta a Espanha, Murilo Fischer conquistou um feito inédito para o ciclismo nacional ao se tornar o primeiro brasileiro na história a concluir as três provas do Grand Tour, o Giro D’Itália, o Tour de France e a Volta a Espanha.